Artigos


Publicado em  07/10/2006 15:50

O boom do sexo lento no Japão ("Slow Sex Boom")

Uma das pesquisas mais importantes realizadas no país renova a imagem da sexualidade japonesa

Kanto , Tokyo -

© 2006 Links Co., Ltd.
2116mns0008-009_m.jpg

 

O casal japonês vive o "boom do sexo lento" (slow sex boom) e uma melhora na qualidade e frequência dos encontros amorosos, segundo revelou o "Documento do Amor", elaborado pela revista Anan entre 1.354 pessoas entre 17 e 39 anos de idade.

O documento serviu para determinar o comportamento entre os japoneses, levando em conta opiniões básicas sobre a sexualidade como, lugar, frequência e quanto se gasta nos encontros, o tempo dedicado ao sexo até motivos de divórcio e infelidade, entre outros.

Os resultados foram analisados pelo psiquiatra Yasufumi Nagoshi - figura conhecida na mídia japonesa - e Maya Harada, famosa escritora de romances.


A MULHER JAPONESA BUSCA SEU LUGAR


Para as mulheres japonesas o amor significa paz, uma forma de compensar as exigências do trabalho e a solidão desde que se tornaram independentes da proteção familiar, disse o psiquiatra Nagoshi. "A mulher busca sua própria identidade no relacionamento e exige seu espaço, mas mostra que não é capaz de suportar a solidão e por isso prolonga os laços com a mesma pessoa."

Maya, por sua vez, destacou a baixa frequência da procura das mulheres pelos seus parceiros. Mas não dramatiza: "para elas não importa a quantidade de vezes que se encontram com o parceiro. Durante a ausência dedicam-se a preparar o próximo encontro. Concentram-se na escolha da roupa e gastam o tempo se produzindo. No final, o tempo que deixam de ver o namorado é para se tornarem mais bonitas e atraentes."

A opinião de Maya coincide com o aumento nas vendas de cosméticos e higiene pessoal no Japão. A previsão é de que em 2006 esse setor movimentará um mercado de US$ 6 bilhões, incentivado em grande parte pelos encontros entre casais.

Cerca de 70% dos casais marcam encontros mais de uma vez por semana, um fato elogiado pelo psiquiatra Nagoshi. "É importante como batalham para se encontrar durante a semana, principalmente se os dois trabalham. É o amor", disse.

Outro fator positivo é que entre os casais modernos, a divisão dos gastos é equilibrada. "Antes não era assim. Os homens pagavam tudo", disse Maya.


MAIS TEMPO PARA O SEXO


A escritora destacou o tema sexual, que nos últimos dez anos mudou bastante. "Hoje, o primeiro beijo e o sexo acontecem mais cedo. Além disso, o número de pessoas com quem a mulher manteve relação sexual coincide com o do parceiro."

Nagoshi acrescentou que o tempo dedicado ao ato sexual dura mais do que antes. Cerca de 53% dos entrevistados afirmaram dedicar quase uma hora para o sexo. "Não é algo que termina em 15 minutos, mas dura o suficiente para melhorar a comunicação. Com mais tempo para o encontro, aumenta a oportunidade de entender o pensamento do parceiro", disse.

Para Maya, o Japão vive hoje o "slow sex boom" - a moda do sexo lento -, com a valorização da tranquilidade em meio a uma sociedade na qual todos vivem apressados. "O casal atual vive melhor sua sexualidade", completou.

Das mulheres que participaram da pesquisa:

casadas166
moram com o parceiro75
têm namorado459
não têm namorado307
total1.007


Veja mais
Bookmark and Share Enviar Enviar       Imprimir Imprimir    Comentar Comentar  Corrigir Corrigir   Diminuir fonte Aumentar fonte    

COMENTÁRIOS

COMENTE ESTA NOTICIA
caracteres podem ser digitados
TERMOS DE USO: O ipcdigital.com tem o prazer de oferecer a seus usuários a oportunidade de fazer comentários. Procure ser polido e educado nos seus comentários para que possamos mantê-lo no site. Comentários que contenham ameaça, ofensa, palavrão, apologia ao crime ou racismo serão deletados.Assim como piadas sobre tragédias pessoais. No entanto, devido à característica interativa da internet é impraticável para nossa equipe monitorar todos os comentários. Como o ipcdigital.com não controla os comentários enviados por seus usuários, eventualmente você poderá encontrar comentários ofensivos ou inapropriados. Caso isso ocorra, clique aquie denuncie.