Brasil


Publicado em  04/05/2007 21:25

Bóias-frias sofrem mais fome que sem-terra

Alimentação gordurosa e pouco constante dos bóias-frias deixa mais propensos a sofrer de hipertensão

Brasil , Minas Gerais , Unaí - Agência Brasil

Agência Brasil
Unai-MG-No-Acampamento-Indio-Galdino-o-militante-do-Movimento-dos-Trabalhadores-Rurais-Sem-Terra
Unaí (MG) - No Acampamento Índio Galdino, o militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) Sérgio Oliveira explica como são decididos, coletivamente, quais os produtos serão plantados. Foto: Antonio Cruz/ABr

No Acampamento Índio Galdino, o militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) Sérgio Oliveira explica como são decididos, coletivamente, quais os produtos serão plantados 
Brasília e Unaí (MG) - A reforma agrária tem um impacto positivo na saúde do trabalhador rural. A idéia, que deixou o biólogo Fernando Ferreira Carneiro obcecado "por mais de dez anos", foi comprovada na prática por suas pesquisas para a tese de doutorado A saúde no campo: das políticas oficiais à experiência do MST e de famílias bóias-frias.

Para averiguar se sua idéia correspondia à realidade, Fernando Ferreira buscou um cenário em que eram vizinhos, "um projeto de reforma agrária e um projeto de agronegócio". O município Unaí, noroeste mineiro, foi o local encontrado pelo biólogo. Lá, Fernando Ferreira pôde comparar a qualidade de vida de bóias-frias que trabalham na lavoura de cana-de-açúcar com famílias de sem-terra, acampados de forma precária, e agricultores assentados pela reforma agrária.

"Os próprios números comprovam que a segurança alimentar dos sem-terra é quatro vezes melhor que a dos bóias-frias", afirma. Em sua pesquisa, entrevistou 202 famílias desses três diferentes públicos. A pergunta era se alguém havia enfrentado dificuldades de alimentação nos últimos três meses. O resultado mostra que uma em cada dez famílias dos assentamentos rurais afirmava ter passado fome. O volume crescia para 20% no caso de pessoas que vivem em acampamentos. No caso dos bóias-frias, esse índice dobra: 40%.

Nos acampamentos e assentamentos, a chave para a melhor alimentação dos trabalhadores é a diversificação da produção e o sistema de decisões coletivas. "A gente não pode deixar todo mundo produzir uma só coisa para depois ter de comprar alimentos", justifica Sérgio Oliveira Nunes, do Acampamento Índio Galdino.

A alimentação gordurosa e pouco constante dos bóias-frias deixa-os mais propensos a sofrer de hipertensão. Dores na coluna e estresse são outros problemas de saúde vividos por esses trabalhadores.

O convívio com agrotóxico é, também, causa de doenças, segundo agentes de saúde de Unaí. "Dentro do ônibus, o cheiro é forte e às vezes nem dá para respirar", relata o bóia-fria Geraldo Lourenço da Silva, 69 anos.

A pesquisa, segundo Fernando Ferreira, mostra a necessidade do governo federal fazer reforma agrária. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse no dia 3 que a reforma agrária é uma questão inquietante, já que o governo não teria recursos para comprar a terra e dar condições adequadas de produção simultaneamente. 


Veja mais
Bookmark and Share Enviar Enviar       Imprimir Imprimir    Comentar Comentar  Corrigir Corrigir   Diminuir fonte Aumentar fonte    

COMENTÁRIOS

COMENTE ESTA NOTICIA
caracteres podem ser digitados
TERMOS DE USO: O ipcdigital.com tem o prazer de oferecer a seus usuários a oportunidade de fazer comentários. Procure ser polido e educado nos seus comentários para que possamos mantê-lo no site. Comentários que contenham ameaça, ofensa, palavrão, apologia ao crime ou racismo serão deletados.Assim como piadas sobre tragédias pessoais. No entanto, devido à característica interativa da internet é impraticável para nossa equipe monitorar todos os comentários. Como o ipcdigital.com não controla os comentários enviados por seus usuários, eventualmente você poderá encontrar comentários ofensivos ou inapropriados. Caso isso ocorra, clique aquie denuncie.