Aichi


Publicado em  27/12/2006 15:00

Brasileiros auxiliam moradores de rua no Japão

Luiz Massato sai do trabalho e prepara comida para os sem-teto de Okazaki duas vezes por semana

Tokai , Aichi , Okazaki

Danilo Nuha/ipcdigital
Daniel-Sasaki-25-e-Luiz-Massato-42-em-frente-a-estacao-JR-Okazaki
Daniel Sasaki, 25, e Luiz Massato, 42, em frente à estação JR Okazaki

Quando o relógio da estação JR em Okazaki (Aichi) marcou nove horas, dois moradores de rua esperavam ansiosos no portão central. Era uma noite fria de sexta-feira, 8 de dezembro, e o motivo de tanta ansiedade eram os alimentos que seriam distribuídos pelo GAV (Grupo de Apoio Voluntário). Nos últimos quatro anos, a organização, sem vínculos religiosos, vem realizando o trabalho de assistência à população carente no Japão.

Duas vezes por semana, o brasileiro Luiz Massato, 42, fundador do grupo, atravessa a cidade com o objetivo de entregar comida aos homeless (moradores de rua). A iniciativa, que antes era solitária, agora recebe a ajuda de Daniel Sasaki, 25, e Milton de Freitas, 35, que se revezam para auxiliar Massato. "Fazemos isso com a contribuição financeira de somente outras sete pessoas, que nos ajudam todos os meses com as despesas", explica o fundador.

Os alimentos são preparados pelo próprio Massato, que organiza tudo logo após o expediente do trabalho. "Para falar a verdade, meu serviço na linha de produção é relativamente pesado e corrido, mas isso não é motivo para deixar de realizar esse trabalho com o GAV", afirma.

De acordo com Massato, existem pessoas que recebem os alimentos distribuídos pelo grupo há quase três anos. "Esses dois que estão aqui por exemplo - disse ele se referindo aos primeiros homeless que encontraram na estação JR - há anos que a gente possui contato semanal. Inclusive, nós até conseguimos um abrigo público para a mãe de um deles, que aos 79 anos estava morando na rua", descreve.

No início, o grupo também distribuía as refeições dentro da estação, mas um problema com um senhor japonês fez com que eles fixassem a base na saída central. "Nós estávamos lá dentro e de repente apareceu um japonês que começou a nos expulsar da estação. Ele perseguiu a gente aos berros. `Vão embora daqui! Vocês não precisam fazer isso, porque toda essa gente ainda tem força para trabalhar´, gritava ele".

Depois da distribuição na JR, Massato e Sasaki seguiram para a estação Kintetsu, que fica do outro lado da cidade. "É onde a gente encontra o maior número de moradores de rua", explicou Sasaki, que trabalha numa fábrica de autopeças em Chiryu (Aichi), e colabora com o grupo há quase dois anos.

Na edição do dia 7 de dezembro de 2006, o jornal Mainichi, fez uma reportagem de destaque sobre as ações do GAV em Okazaki. No dia seguinte, uma turma de voluntários japoneses (com roupas e cobertores para serem doados) se deslocou de Nagoya para conhecer o grupo brasileiro.

Quem também estava acompanhando o trabalho do grupo era o jornalista do Mainichi Shimbun, Naohiro Yamada, que destacou o projeto do GAV. "Essa iniciativa chamou atenção de muita gente. Aqui no Japão ainda é novidade esse tipo de trabalho realizado por brasileiros", disse o repórter. Além do GAV, Sasaki fez questão de ressaltar que outros programas de assistência estão sendo desenvolvidos dentro da comunidade.

"Nós conhecemos o trabalho do Padre Higa, um dos pioneiros em ações voluntárias. E também os projetos humanitários do NEC (Núcleo Espírita Cristão), deGifu", disse Sasaki.


Os interessados em colaborar com os trabalhos do GAV, podem entrar em contato pelo telefone:
(090)3156 - 7149 (depois das 20h) ou email: gavjp@hotmail.com


Veja mais
Bookmark and Share Enviar Enviar       Imprimir Imprimir    Comentar Comentar  Corrigir Corrigir   Diminuir fonte Aumentar fonte    

COMENTÁRIOS

COMENTE ESTA NOTICIA
caracteres podem ser digitados
TERMOS DE USO: O ipcdigital.com tem o prazer de oferecer a seus usuários a oportunidade de fazer comentários. Procure ser polido e educado nos seus comentários para que possamos mantê-lo no site. Comentários que contenham ameaça, ofensa, palavrão, apologia ao crime ou racismo serão deletados.Assim como piadas sobre tragédias pessoais. No entanto, devido à característica interativa da internet é impraticável para nossa equipe monitorar todos os comentários. Como o ipcdigital.com não controla os comentários enviados por seus usuários, eventualmente você poderá encontrar comentários ofensivos ou inapropriados. Caso isso ocorra, clique aquie denuncie.