Comunidade


Publicado em  16/03/2012 8:48

Movimento Brasil Solidário volta à região Tohoku para homenagear as vítimas do terremoto e tsunami

Brasileiros plantaram sementes na terra lavada, como símbolo de força e respeito aos que morreram

/ JPTV

O tocador de horagai, trompete de concha do mar, anunciou a chegada dos brasileiros em Sendai (Miyagi). O grupo trouxe condolências nas mãos, lanternas de bambu com mensagens de apoio e no coração, a tristeza pelo que aconteceu. Essa chama da solidariedade brasileira mais uma vez se estendeu às vítimas da tragédia de um ano atrás. “Simboliza a luz que nós brasileiros em nome de toda a sociedade brasileira queremos levar às vítimas do terremoto e ao conjunto da sociedade que nos acolhe”, disse o embaixador Marcos Galvão.

A tocha acesa no prédio da embaixada, na prática está flamejando desde os primeiros dias que se seguiram à tragédia. Eber Iyama percorreu diversas vezes o caminho de Gifu, onde mora, até Tohoku. “O tsunami destruiu tudo, quando vi aqui pela primeira vez foi três, quatro dias depois que o tsunami tinha acontecido. Eeu tinha visto um monte de tudo, casa, carro, e hoje eu vejo tudo isso limpo, então é uma coisa que a gente tem que aprender com eles, os japoneses. Eles conseguiram limpar tudo isso em um ano, e não duvido que consigam construir tudo em um ano”, relata Iyama. Desta vez, a expedição reuniu dois ônibus e uma van.

Em cada parada, uma oração. Da Universidade Tohoku, o grupo seguiu para a cidade vizinha de Natori, onde mais de 900 pessoas morreram tragadas pelas ondas de março. ¨Ainda não dá para acreditar. Perdi 11 primos aqui em Natori¨, contou uma senhora.

Os brasileiros repetiram os gestos de Pelé, que esteve na cidade seis meses atrás em solidariedade ao povo japonês. E viram o mesmo cenário que tenta retomar ao que era antes das 2h46 da tarde daquele gélido 11 de março.

¨Somos gente do mar. Não podemos ficar com medo do mar. Todos queremos voltar pra nossa terra¨, desejava um japonês, que vive hoje em abrigo temporário.

Paulo Batalha, do Setor de Comunidade da embaixada apontou que “mesmo percebendo que não sobrou nada, é impressionante ver como foi destruído isso daqui, e como eles tem colocado muito trabalho para conseguir reconstruir”. Há quatro séculos, uma floresta separava a população de Natori do mar. Durante o tsunami, a vegetação diminuiu a força e velocidade das ondas, salvando muitas vidas.

“Hoje viemos transmitir os nossos sentimento para as pessoas. Nada mais simbólico do que um pé de ipê, uma araucária, e a gente vai deixar aqui. Esperamos vingar para a nossa mensagem de apoio para o pessoal”, disse Shinji Mogi do Movimento Brasil Solidário.

Os brasileiros plantaram sementes na terra lavada, como símbolo de força e respeito aos que morreram. As mudas de ipê roxo, araucária e pinheiro do paraná não formam volume. Mas poderão se transformar em árvores frondosas para lembrar ao povo de Tohoku, que o Brasil se solidariza com a dor dos japoneses.

O terremoto e tsunami de 11 de março deixou quase 16 mil mortos confirmados e mais de 3 mil pessoas desaparecidas. Ainda restam 341.411 pessoas divididas por todo o país em mais de 50 mil abrigos provisórios.


Veja mais
Bookmark and Share Enviar Enviar       Imprimir Imprimir    Comentar Comentar  Corrigir Corrigir   Diminuir fonte Aumentar fonte    

COMENTÁRIOS

COMENTE ESTA NOTICIA
caracteres podem ser digitados
TERMOS DE USO: O ipcdigital.com tem o prazer de oferecer a seus usuários a oportunidade de fazer comentários. Procure ser polido e educado nos seus comentários para que possamos mantê-lo no site. Comentários que contenham ameaça, ofensa, palavrão, apologia ao crime ou racismo serão deletados.Assim como piadas sobre tragédias pessoais. No entanto, devido à característica interativa da internet é impraticável para nossa equipe monitorar todos os comentários. Como o ipcdigital.com não controla os comentários enviados por seus usuários, eventualmente você poderá encontrar comentários ofensivos ou inapropriados. Caso isso ocorra, clique aquie denuncie.