Shizuoka


Publicado em  06/06/2007 20:39

Mesmo com erro, placas conseguem passar recado

Placas voltadas aos brasileiros residentes estão carregados de erros, mas conseguem passar o recado

Tokai , Shizuoka , Hamamatsu - Osny Arashiro/ipcdigital.com

Osny Arashiro/ipcdigital.com
Interpretes-da-prefeitura-de-hamamatsu-desconhecem-quem-e-o-autor-da-placa-que-informa-sobre-a-proibi
Intérpretes da prefeitura de hamamatsu desconhecem quem é o autor da placa que informa sobre a proibição de atravessar naquele local

Ao longo da história, a comunicação entre os homens utilizou os meios próprios da época. A fumaça, o rufar dos tambores, as bandeiras de cores variadas, o romantismo das cartas. Depois, o mundo entrou na era do rádio, do telégrafo, do telegrama, do telefone, da televisão, do fax, do bip (pager). Hoje, estamos na era digital, da comunicação virtual e do telefone celular. Mas as antigas placas de sinalização seguem com futuro garantido. Até agora, não inventaram nada que as substituam. O problema é que erros de português são facilmente encontrados em muitas delas e, em alguns casos, geram até confusão no entendimento.

Nas ruas de Hamamatsu (Shizuoka) muitas placas com inscrições em português tentam passar o recado para os quase 20 mil brasileiros residentes na cidade. Quem passar, por exemplo, em frente à estação de trem JR, na confluência entre o setor de ônibus e táxi, vai estranhar uma enorme placa escrita: NÃO PODE ATRAVESAR. Faltou um "s" na palavra "atravessar".

O International Press foi até a prefeitura de Hamamatsu para verificar quem seria o responsável pela grafia da placa. As intérpretes brasileiras Yumi Shimabukuro e Yumi Ishii, que trabalham na Divisão de Relações Internacionais, desconhecem o autor da mesma. "Não sabemos quem fez a inscrição", disseram. "Nossa tarefa é emitir os boletins públicos. Após a tradução, revisamos o texto e reduzimos os prováveis erros de ortografia", esclarecem.

Muitos organizadores de eventos para a comunidade internacional de Hamamatsu vão até à prefeitura e deixam seus folhetos sobre o balcão. Invariavelmente, esses folhetos apresentam erros gramaticais. É o caso de um folheto que divulgava uma inaguração no dia 3 de abril, porém, a palavra inauguração estava escrita de forma ininteligível: INAGUEACÃO.

Outro exemplo é um folheto que apresenta pelo menos 15 erros ortográficos e gramaticais, entre os quais: PRODUCTOS (produtos) FEITOS A MÃOS (concordância errada e falta crase), PAES(pães), TANGARINAS (tangerinas), AROMATIZANDE (aromatizante), OTROS (outros), APARTIR (a partir) etc. A impressão que fica é que o autor do texto utilizou um tradutor dos muitos que existem na internet, porém poucos confiáveis.

Jogar a culpa no computador é muito comum em se tratando de material impresso. Porém, no caso das placas escritas à mão, o principal "suspeito" é o autor do texto.

Uma loja de brincos no centro de Hamamatsu anuncia o seu produto com uma placa mista: SEJA BEN (bem) VINDO e a palavra PIASU (que vem da palavra em inglês pierce, que significa perfurar). O autor fez uma salada, misturou PI (em hiragana) A (em katakana) SU (em letra romanizada). Na palavra PIRCE também faltou a letra "e" (pierce).

Uma empreiteira de Hamamatsu, que não autorizou ter o nome divulgado, pendurou na frente da loja uma placa em português sofrível: ADMITIMOS: HOMENS E MULHERES PARA TRABLHAR NA RGIÃO DE HAMAMATSU (faltam as vogais "a" em trabalhar e "e" em região).


É possível evitar erros

A promotora Erica Dutra, mais conhecida por DJ Ka, consegue eliminar os erros nos folhetos que encomenda para divulgar seus eventos. Ela passa a idéia do conteúdo para seu designer gráfico, que envia a primeira prova via email. Ela corrige o texto e o devolve ao gráfico, também via email, para que seja providenciada a impressão do folheto.

Os erros mais comuns, segundo Erica, são a falta da cedilha (ç) e falta de acentuação. Porém, ela credita esses erros aos teclados do computador sem o conversor para o português. "Geralmente um designer gráfico que está começando na profissão não adquire os programas necessários para uma correta grafia do idioma português. Mas, se ele pretende seguir carreira e ser competitivo, deve se equipar com os programas essenciais para atender a clientela brasileira", opina.

Letras trocadas

Outras cidades onde existe grande concentração de brasileiros também é possível encontrar placas nessas condições.

No Homi Danchi de Toyota (Aichi), uma placa apresenta a seguinte inscrição: INFORMEM À POLÍCIA AO ENCONTRAREM SETES LIXOS. Até desvendar qual era a mensagem, muitos ficam a pensar quais seriam esses "setes" lixos. Depois concluem que "setes" na verdade significa "estes". A placa pede aos moradores para não jogarem "estes" lixos: eletrodomésticos e outros de grande porte.


Veja mais
Bookmark and Share Enviar Enviar       Imprimir Imprimir    Comentar Comentar  Corrigir Corrigir   Diminuir fonte Aumentar fonte    

COMENTÁRIOS
baixinha (Terça-Feira, 12 de Janeiro de 2010, 16:11:45) x 1
Esses erros de português podem estar evidenciando dois importantes fatos: o primeiro fato mostra que o nível cultural dessas pessoas, que tentam ajudar aqueles que não sabem japonês, é muito baixo. Ou seja, isso mostra a verdadeira realidade cultural dos brasileiros: ou vem da baixa qualidade de ensino brasileiro nas escolas públicas e privadas do Brasil ou das escolas brasileiras do Japão.
O segundo fato mostra que a gráfica japonesa ou o responsável japonês, que tem o poder de aceitar o texto ou não, pode achar que "erramos" em alguns pontos e ele mesmo "tira" ou "corrige" sem a devida consulta. Sem contar que as gráficas japonesas não estão acostumadas com acentos, fazendo com que o próprio programa anule o acento ou a letra com acento.
panflenet@hotmail.com (Quarta-Feira, 9 de Dezembro de 2009, 20:40:14) x 958
a humanidade sempre se entendeu...
so os homens que aas vezes se tornam ignorantes...
hiromi (Sábado, 19 de Setembro de 2009, 9:11:25) x 175
Tradutor(a),nao existem dois e/ou mais termos, ou e tradutora ou nao e, mesmo nas traducoes de ducumentos governanmentais-diplomaticas-comerciais, como traduzir pequenas tradicoes do dia-dia nos balcoes das prefeituras e ou nas agencias de empregos e em casos graves de Hospitais e Delegacias de Policia e de Imigracoes, deve se ter responsabilidade, seriedade e neutralidade., nao se sentir o(a) todo(a) poderoso(a), arcar e ser responsavel ate o fim seja qual for a traducao que fizer.
Pietro (Quinta-Feira, 3 de Setembro de 2009, 8:15:11) x 58
São duas as causas destes erros:
A primeira, a soberba dos japoneses, que preferem errar do que perguntar. A segunda, o maucaratismo dos "tradutores" brasileiros, que para não dizer que não sabem, preferem traduzir errado não se preocupando com as consequências de seu erro. Nas fábricas, estes erros são gritantes além de hilariantes. Existem placas onde o escrito não tem qualquer significado lógico e outras com significados totamente contrários ao que esta escrito em japonês. É lamentável. Aliás, é "lamentável" ou "ramem taberu"? Para os tradutores brasileiros, deve ser a mesma coisa.
GregrioMattosGuerra (Quarta-Feira, 2 de Setembro de 2009, 7:31:39) x 56
Ta bom assim,
Primeiro porque brasileiro nao respeita nada,
segundo porque brasileiro nao sabe ler mesmo.
GregrioMattosGuerra (Quarta-Feira, 2 de Setembro de 2009, 7:30:16) x 56
b
panflenet@hotmail.com (Quinta-Feira, 9 de Julho de 2009, 12:39:09) x 958
Quem nao se comunica se estrumbica.,......
palavras do velho guerreiro Chacrinha.....

Nao importa se esta escrita errada,...
Se conseguiu levar a ideia,...
Se comunicou ???
Nao se estrumbicou ! ! ! ! !
guerra.luciano (Terça-Feira, 12 de Maio de 2009, 0:16:21) x 8
pra que placas?ninguem respeita mesmo!
nao tem lei no japao! O brasileiro tem seu jeitinho malandro de resolver as coisas!rs
ta cheio de malandros na cadeia em shizuoka!rs
mishi-ma (Terça-Feira, 28 de Abril de 2009, 15:09:48) x 194
Tanta cultura me deixa comovido.

COMENTE ESTA NOTICIA
caracteres podem ser digitados
TERMOS DE USO: O ipcdigital.com tem o prazer de oferecer a seus usuários a oportunidade de fazer comentários. Procure ser polido e educado nos seus comentários para que possamos mantê-lo no site. Comentários que contenham ameaça, ofensa, palavrão, apologia ao crime ou racismo serão deletados.Assim como piadas sobre tragédias pessoais. No entanto, devido à característica interativa da internet é impraticável para nossa equipe monitorar todos os comentários. Como o ipcdigital.com não controla os comentários enviados por seus usuários, eventualmente você poderá encontrar comentários ofensivos ou inapropriados. Caso isso ocorra, clique aquie denuncie.