Mundo


Publicado em  30/03/2011 2:02

Japão cai duas posições em ranking de publicações científicas internacionais

A China foi um dos países que mais subiu no ranking, saindo da sexta colocação para ocupar o segundo posto da lista.

/ Agência Lusa

O Japão desceu de segundo, com 7,8 por cento, para o quarto lugar, com 6,1 por cento, na listagem dos países por número de artigos publicados em revistas científicas internacionais conforme um relatório da Real Society publicado na terça-feira (29) em Londres, noticia a AFP.

Os Estados Unidos (EUA) permanecem no topo, mas veem a sua parte dos artigos publicados diminuir, de 26,4 por cento para 21,2 por cento nestes períodos.

A evolução da China levou-a do sexto lugar por número de artigos publicados no período 1999-2003 (4,4 por cento do total) para o segundo, com 10,2 por cento do total no período 2004-2008, desbancando o Japão.

O Reino Unido mantém a terceira posição, graças a um aumento da produção publicada, de 6,5 por cento para 7,1 por cento.

A maior parte dos países ocidentais entre os dez primeiros viram o seu número de publicações descer, em proveito de países emergentes, como China, Brasil, Índia e inclusive Iran, Tunísia e Turquia.

A Alemanha, na quinta posição, publica 6,0 por cento contra 7,0 por cento na listagem anterior, e a França no sexto lugar vale agora 4,4 por cento dos artigos publicados, contra 5,0 por cento anteriormente.

“O mundo da ciência muda e novos atores aparecem”, constatou Chris Llewellyn Smith, que dirigiu o estudo da Royal Society, em comunicado.

“Além da escalada da China, vemos a ascensão do Sudeste Asiático, do Oriente Médio, da África do Norte e de outros países (…), nenhuma nação historicamente dominante pode descansar sobre as suas conquistas se quiser manter a vantagem em termos de competitividade”, acrescentou.

No caso concreto da Tunísia, por exemplo, o peso da investigação, expresso em termos de percentagem do produto interno bruto, passou de 0,03 por cento para 1,25 por cento.

Outro traço do estudo é a identificação da cooperação entre equipas de países diferentes, apurando-se que 35 por cento artigos são agora resultado de cooperações internacionais, o que compara com 25 por cento há 15 anos.

A Royal Society fez o seu estudo com o grupo editorial Elsevier, que publica duas mil revistas científicas.


Veja mais
Bookmark and Share Enviar Enviar       Imprimir Imprimir    Comentar Comentar  Corrigir Corrigir   Diminuir fonte Aumentar fonte    

COMENTÁRIOS

COMENTE ESTA NOTICIA
caracteres podem ser digitados
TERMOS DE USO: O ipcdigital.com tem o prazer de oferecer a seus usuários a oportunidade de fazer comentários. Procure ser polido e educado nos seus comentários para que possamos mantê-lo no site. Comentários que contenham ameaça, ofensa, palavrão, apologia ao crime ou racismo serão deletados.Assim como piadas sobre tragédias pessoais. No entanto, devido à característica interativa da internet é impraticável para nossa equipe monitorar todos os comentários. Como o ipcdigital.com não controla os comentários enviados por seus usuários, eventualmente você poderá encontrar comentários ofensivos ou inapropriados. Caso isso ocorra, clique aquie denuncie.