Ano Yakudoshi: entenda a superstição japonesa sobre as idades do azar e as lições por trás dela

Nacionalpor Rachel Matos - 08/09/2015
yakudoshi
Crédito: Divulgação

TOKYO (IPC Digital) – Yakudoshi é uma superstição japonesa ou crença religiosa que afirma que certos anos da vida de uma pessoa são destinadas a ser de azar.

É comum as pessoas visitarem os santuários no Japão em seus anos de azar para comprar amuletos da sorte e participar de cerimônias para afastar a possibilidade de ocorrer uma grande tragédia.

As idades

A crença em Yakudoshi começou no período Heian (794-1185) e é generalizada no Japão. Para os homens as idades são: 25, 42 e 61 anos. Para as mulheres são 19, 33 e 37 anos.

Dizem também que os anos antes e depois de sua Yakudoshi são também um pouco de azar. No ano anterior do Yakudoshi, acredita-se que você pode perceber algum presságio de algum tipo de algo ruim que virá em breve.

O que está por trás

A razão para a forte crença em Yakudoshi pode estar enraizada nas questões das transformações biológicas e emocionais que acontecem nas transições da idade adulta, meia idade e velhice, particularmente nos homens. Lembrando que, para eles as idades são: 25, 42 e 61 anos.

Os números para as mulheres fazem menos sentido. No entanto, acredita-se que as grandes crises existenciais iniciais da vida da população feminina de antigamente começavam antes dos 20 anos, pois elas se casavam e tinham filhos cedo e envelheciam mais cedo também. Por isso os anos amaldiçoados estavam perto das idades onde haviam transformações em seu papel familiar e status social.

O que se aprende com isso

A cultura do Yakudoshi acaba por ensinar as pessoas que se deve tomar mais cuidado com a saúde física em momentos críticos da vida. Não beber e comer demais, evitar atividades perigosas, nem fazer muito esforço físico e mental. Isso evitaria alguma tragédia.

Independente da crença ou não, o fato é que se cuidar e se preservar nos momentos de crise são ações que, sem dúvida, ajudam a passar por fases difíceis!

Certos ou não, não importa. Cada povo aprende suas formas de sobrevivência através de seus mitos e crenças.

Este foi mais um pouco da cultura japonesa onde é possível entender melhor a mente dos nossos anfitriões e aprender um pouco com eles!

FONTE: JAPAN TALK

Comentários

comentários

Colunistas IPC Digital

Alessandra Barbieri
Alessandra Barbieri

Advogada de formação, professora por opção, mãe e esposa, de coração.

Elza Nakahagi
Elza Nakahagi

Autora do livro Termos Médicos e colaboradora do Disque Saúde no Japão

Marcelo Maio
Marcelo Maio

Escritor, pedagogo e novato no Japão

Marcio Ikuno
Marcio Ikuno

Jornalista, blogueiro e filósofo estóico pós-moderno

Rachel Matos
Rachel Matos

Psicóloga, psicopedagoga e parceira das famílias nos desafios da educação