Japonesa responde: por que as mulheres daqui cobrem a boca ao dar risada?

Nacionalpor Rachel Matos - 07/07/2015
japao
Crédito: Divulgação

TÓQUIO (IPC Digital) – Alguma vez você já se perguntou por que as mulheres japonesas cobrem a boca quando dão risada?

Este é um fenômeno cultural e usualmente vemos acontecendo quando observamos uma japonesa sorrindo. Os homens, por sua vez, não fazem esse gesto.

Instigada pela curiosidade dos estrangeiros, uma mulher japonesa postou em seu blog algumas explicações:

Razão # 1: Ao contrário da cultura ocidental que cuida dos dentes para também ter sorrisos bonitos, os japoneses não têm este hábito. Geralmente os dentes são desalinhados, tortos e muitas mulheres tem vergonha de mostrá-los ao sorrir.

Razão # 2: As mulheres japonesas aprendem a dar risada em voz baixa, sem fazer muito barulho, considerando que as altas gargalhadas são comportamentos vistos como pouco graciosos e pouco femininos na cultura japonesa.

Razão # 3: Porque é isso o que as outras mulheres japonesas fazem. O Japão é uma sociedade coletiva e as pessoas tendem a imitar comportamentos de outras pessoas. Mesmo que, às vezes, não seja consciente, as mulheres naturalmente tendem a seguir o exemplo de outras mulheres. É um comportamento aprendido.

Razão # 4: A sociedade japonesa vê esse comportamento como gracioso e mulheres são incentivadas a sorrir (tampando a boca), porque isso é um sinal atraente e gracioso.

Isso pode não fazer muito sentido aos olhos dos estrangeiros, mas depois de morar no Japão por um tempo você se acostuma sobre esta tradição japonesa.

FONTE: NEWS ON JAPAN

 

Comentários

comentários

Colunistas IPC Digital

Alessandra Barbieri
Alessandra Barbieri

Advogada de formação, professora por opção, mãe e esposa, de coração.

Elza Nakahagi
Elza Nakahagi

Autora do livro Termos Médicos e colaboradora do Disque Saúde no Japão

Marcelo Maio
Marcelo Maio

Escritor, pedagogo e novato no Japão

Marcio Ikuno
Marcio Ikuno

Jornalista, blogueiro e filósofo estóico pós-moderno

Rachel Matos
Rachel Matos

Psicóloga, psicopedagoga e parceira das famílias nos desafios da educação